quinta-feira, setembro 15, 2005

Bandolins

Dessa vez a música vinha de dentro e nem mesmo o rádio-relógio a apagou.

Ele se levantou lutando contra o edredon e o chão frio e como se não fosse um tempo em que já fosse impróprio cantarolou no banho.

E como fosse um par que nessa valsa triste se desenvolvesse ele tomou seu banho e café.

Como fosse um lar seu corpo saiu à rua e como um par o vento e ele tomaram o rumo de todos os dias.

E foi assim, valsando como valsa uma criança que entra na roda ele escreve estas linhas.

2 Comments:

At 9:53 PM, Anonymous Anônimo said...

E por que não dizer
que o mundo respirava mais se ele apertava assim???

 
At 10:54 AM, Anonymous Binha said...

Obrigada pela sopa de cavalo cansado...

vou fazê-la ao som de uma valsa de criança de desgustá-lo com o prato entre as pernas...

 

Postar um comentário

<< Home